UFAM: Biblioteca não tem Cor

No dia da consciência negra a UFAM Campus Humaitá promoveu um dia de palestras e discussões sobre o tema.
Houve um debate sobre o racismo, como o negro é visto e vê a  sociedade, os convidados puderam expor suas ideias e as suas visões, perante uma plateia atenta e participativa.
IMG_0037
 
 
O professor da UNIR de Porto Velho disse: Apesar da minha pele branca,  o meu pai é negro, portanto,  no Brasil quase toda a população é descendente de negros,  somos um povo  de  mestiços.
 
 
IMG_0017
 
Ex-aluno da UFAM formado em matemática e física disse : Melhor seria dar uma educação de base  e de bom nível, para todos. Esse sistema de cotas, que nivela em um nível inferior,  todos temos a mesma capacidade, basta ter uma educação de base adequada.
 
 

UFAM DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

200px-Ernesto_Carneiro_Ribeiro
Ernesto Carneiro Ribeiro

O exemplo citado pelo movimento negro, até o dia da consciência negra é por causa do Zumbi dos Palmares, apesar de achar que quem merecia ser lembrado é o Ernesto Carneiro Ribeiro, mas estamos colocando as duas biografias para você decidir:  Ernesto Carneiro Ribeiro Médico e literato brasileiro nascido em Itaparica, Estado da Bahia, filólogo de mérito e educador de amplíssimos conhecimentos, cuidadoso na correção da linguagem, foi pioneiro no Brasil de uma gramática constituída em função da língua falada. Estudou no Liceu Provincial de Salvador e na Faculdade de Medicina da Bahia, onde se doutorou (1864). Fundou o Ginásio Carneiro Ribeiro (1884), o qual dirigiu por 36 anos. A publicação dos oito volumes do Projeto do Código Civil Brasileiro, do jurista e magistrado brasileiro Clóvis Beviláqua (1859-1944), publicado pela Imprensa Nacional (1902), deu origem aos seus famosos debates lingüísticos com o famoso político e jurisconsulto brasileiro Rui Barbosa (1849-1923), em cima do Parecer desse senador sobre a matéria. A Imprensa Nacional editou os oito volumes do Projeto de Clóvis Beviláqua, e, ao mesmo tempo, o Parecer do senador Rui Barbosa sobre a matéria. Envolvido a contragosto na apreciação do projeto, iniciou com Rui Barbosa, seu antigo aluno, a polêmica, destacando certos aspectos do português no Brasil que não eram percebidos pelos gramáticos, tornando-se no país o pioneiro de uma gramática constituída em função da língua falada. Sobre o assunto publicou A redação do projeto do código civil (1902) e A réplica do dr. Rui Barbosa (1905) e faleceu em sua terra natal, em 13 de novembro (1920), com 81 anos. Como sempre no Brasil ,  os verdadeiros heróis são esquecidos.
Zumbi-263x300
Zumbi dos Palmares


Dia da Consciência Negra, comemorado na semana passada. A data se refere à morte de Zumbi, o herói nacional símbolo da luta contra a escravidão. Na escola aprendemos que o quilombo era uma sociedade igualitária, destino para os escravos fugidos, onde poderiam, enfim, conquistar a sonhada liberdade.
Zumbi foi educado em um convento em Alagoas, aprendeu a falar latim e português, recebeu o nome de Francisco. Ainda jovem, foi para o Quilombo dos Palmares. Por volta de 1678, o líder dessa comunidade era Ganga Zumba, que aceitou uma oferta de paz da Capitania de Pernambuco: todos os escravos fugidos seriam livres se o quilombo se submetesse à autoridade da Coroa Portuguesa; mas Zumbi rejeitou o posicionamento de Ganga Zumba, preferiu a resistência contra a opressão portuguesa e tornou-se o novo líder do quilombo. Foi morto por vinte guerreiros em uma ação contra o quilombo, em 20 de novembro de 1695.
Morrer por uma causa nobre. Assim como os santos da Igreja Católica, como a guerreira Joana D’Arc, o filósofo Sócrates, Zumbi se tornou um símbolo, deixou de ser um homem para representar um ideal.
Mas…, será que foi isso mesmo que aconteceu na realidade, lá no distante século 17? Alguns historiadores têm bons motivos para acreditar que não, definitivamente. Parece estranho pensar que Zumbi tinha escravos, mas sim, ele tinha. Não há motivo para espanto. Naquela época era normal ter escravos. O historiador Edision Carneiro afirma no livro Quilombo dos Palmares, que eram livres aqueles que conseguiam chegar até lá, mas os que eram raptados à força de vilas e povoados vizinhos eram escravizados. Ainda parece absurdo? O abolicionismo começou a surgir com os ideais iluministas na Europa e nos Estados Unidos, um século depois de Zumbi.
No livro Palmares, de Flávio dos Santos Gomes, o quilombo é descrito por um capitão holandês chamado João Blaer como tendo uma estrutura social de impérios africanos, com rei, guardas e subserviência.  Além disso, o historiador marxista Décio Freitas, o que escreveu sobre a vida de Zumbi no convento, teria se baseado em cartas do padre que conviveu com ele, mas ele nunca mostrou essas mensagens. E pior ainda: e se a negativa do acordo de paz foi o que causou a destruição do quilombo? Será que houve mesmo um acordo de paz? Não dá para ter certeza.
O que distingue a realidade da ficção? Os livros didáticos de história não ajudam muito a responder essa pergunta. Nenhuma das opiniões acima está presente neles. O tempo vai passando e ainda somos levados a acreditar na versão oficial, assimilando como realidade inquestionável apenas um lado da moeda, o lado onde aparece o herói nacional fabricado por escritores que usam o cabresto do politicamente correto, tentando encaixar sua ideologia em cada fato.
O resultado é uma história que parece fábula, com personagens que desafiam a lei e a ordem, que fizeram grandes feitos, de conflitos entre mocinhos e vilões. A realidade é mais complexa do que esse tipo de relativismo. Será que precisamos mesmo de um mito, de uma lição de moral inventada para entender que somos seres humanos iguais, independente da cor?
 
Fontes: https://www.dec.ufcg.edu.br/ gazetadotriangulo Por : Talita Gonçalves
Barrancas Seu Portal de Notícias

Mostrar Mais
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.