Estados Unidos anunciam sanções contra oligarcas e empresas russas

O governo dos Estados Unidos anunciou novas sanções contra a Rússia, por causa da “guerra brutal” conduzida pelo país na Ucrânia. O secretário de Estado americano, Antony Blinken, diz que estão sendo designados oligarcas russos, entidades estatais e “autoridades ilegítimas” como alvos da medida.

Três oligarcas russos foram punidos pelos EUA: Dmitry Aleksandrovich Pumpyanskiy, Andrey Igorevich Melnichenko e Alexander Anatolevich Ponomarenko. Além disso, a Joint Stock Company State Transportation Leasing Company e quatro de suas subsidiárias também foram punidas.

O Departamento de Estado também puniu quatro outros indivíduos e uma entidade que “operam ilegitimamente em território da Ucrânia em colaboração com a Rússia”. Vários dos alvos foram designados por aliados e parceiros dos EUA, diz o texto.

Com a punição, ativos dos EUA desses indivíduos ou empresas são congelados, explica o comunicado.

Na terça-feira (2), o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos impôs sanções a suposta namorada do presidente russo, Vladimir Putin, como parte de uma série de medidas contra as elites russas na mais recente tentativa do governo Biden de punir o Kremlin por sua guerra em andamento na Ucrânia.

Alina Maratovna Kabaeva, que foi romanticamente ligada ao líder russo, recebeu sanções “por ser ou ter sido líder, oficial, alta executiva ou membro do conselho de administração do governo da Federação Russa”, um Departamento do Tesouro declaração disse.

Essa declaração descreve Kabaeva, de 39 anos, como tendo “uma relação próxima com Putin”. Ela é ex-membro da Duma do Estado “e é a atual chefe do National Media Group, um império pró-Kremlin de organizações de televisão, rádio e imprensa”.

Em abril, o Wall Street Journal informou que a sanção de Kabaeva estava sendo considerada pelos EUA, mas havia a preocupação de que tal medida pudesse inflamar as tensões devido à sua proximidade com Putin.

Kabaeva já havia recebido sanções da União Europeia (UE) e do Reino Unido.

Ajuda militar

Os Estados Unidos anunciaram, na última segunda-feira (1º), que enviarão um novo pacote de armamento, no valor de US$ 550 milhões, para as tropas ucranianas que lutam contra a Rússia.

O novo lote “incluirá mais munições para os sistemas avançados de foguetes de alta mobilidade, conhecidos como Himars, e munições” para a artilharia, informou aos jornalistas o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby.

Segundo ele, isso eleva o total da ajuda militar americana à Ucrânia este ano a mais de US$ 8 bilhões.

A nova ajuda também incluirá 75 mil obuses de 155 milímetros, indicou o Pentágono em um comunicado.

Os Himars de grande mobilidade disparam mísseis guiados por GPS com um alcance de 80 quilômetros, o que permite que a Ucrânia ataque alvos russos que antes eram inalcançáveis.

A artilharia é decisiva na guerra na Ucrânia, onde a existência de projéteis de todo tipo é essencial, tanto para o exército ucraniano quanto para o russo.

Por Redação

Mostrar Mais
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.