Crianças das etnias Sateré Mawé e Tikuna, da Aldeia Inhãa-bé, gravam DVD em Manaus

“As músicas são cantadas nas línguas Tikuna, Sateré-Mawé e em português”

 

No próximo dia 14, vai acontecer a gravação do DVD do Grupo musical Kuiá, no Centro Cultural Povos da Amazônia. O Kuiá é um grupo musical formado pelas crianças e adolescentes Sateré Mawé e Tikuna da Aldeia Inhãa-bé, localizada no Igarapé do Tiú, rio Tarumã-Açu, há alguns minutos de lancha da Prainha Branca, no bairro Tarumã-Açu.

A produção do DVD do grupo é um dos resultados do projeto “Kuiá – música e identidade étnica”, contemplado pelo edital Prêmio Feliciano Lana, promovido pela Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa com recursos da Lei Aldir Blanc. O projeto também prevê a publicação de livro baseado na dissertação de mestrado de autoria da proponente do projeto, Carolina Bertolini, que abordou a as performances musicais do grupo, bem como a trajetória de formação de sua aldeia de pertencimento, a aldeia Inhãa-bé.

Esta Aldeia foi criada a partir do deslocamento de uma das famílias Sateré Mawé, que antes de estabelecerem moradia no Tarumã-Açu, residiram em diferentes bairros de Manaus, e agregaram também outras etnias, como a Tikuna, ao longo de seu processo de formação e desenvolvimento.

O grupo é formado por Puremanã, Y’y, Yauatuna, Hamã e Eliezio, e é acompanhado no gambá e chocalhos pelos pais, cuidadores e lideranças da Aldeia, Yrá e Pedro Hamaw.

O Kuiá apresenta suas canções em voz principal e coro, cantadas nas línguas Tikuna, Sateré-Mawé e portuguesa, acompanhados por instrumentos percussivos, como o gambá, chocalhos, como o de semente de inhãa-bé, maracas, paus de chuva, e buzinas, instrumentos muito representativos das sonoridades das etnias Sateré Mawé e Tikuna, em uma performance que agrega dança e outros objetos.

O grupo Kuiá tem cerca de 8 anos de existência, e desde sua criação se apresenta, acompanhado de seus mentores Pedro e Yrá, em escolas da rede pública e privada de Manaus. Além de desenvolver nas crianças e adolescentes habilidades artísticas, o grupo é uma forma de perpetuação das línguas Tikuna e Sateré-Mawé, e um recurso para a reafirmação de uma identidade coletiva vivida como essencial pelos indígenas da aldeia Inhãa-bé para se distinguirem no cotidiano da vida social e para assegurar sua reprodução cultural

O DVD e o livro, viabilizados pelo edital Premio Feliciano Lana, ganharão uma pequena tiragem de exemplares físicos, dos quais a maior parte será destinada ao próprio grupo e aldeia, além de alguns exemplares serem doados à escolas e biblioteca públicas da cidade de Manaus. O conteúdo digital do DVD e áudio do show serão disponibilizados em plataformas de streaming, como Youtube e Spotify, e o livro será disponibilizado também digitalmente e de forma gratuita.

 

acritica.com

Mostrar Mais
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *